Colégio de Dirigentes e Ingresso

Olá!

Nesta semana, tivemos mais uma reunião do Colégio de Dirigentes do IFSC, o Codir, que reúne os diretores-gerais dos câmpus. Tratamos de assuntos complexos e importantes para nossa instituição, como a adequação dos recursos do IFSC Rede, que é um fundo para ações conjuntas que envolvam todos os câmpus. Estamos fazendo ajustes tendo em vista o nosso orçamento.

Outra discussão bastante intensa foi sobre nosso Ingresso. Foi proposto que não tenhamos vestibular para o processo seletivo 2017.1 e que se utilize a nota do Enem e o Sistema de Seleção Unificado, o Sisu. Essa reflexão está presente já há algum tempo no IFSC e foi reiniciada no Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, realizado na semana passada. A ideia agora está em fase de debate nos câmpus. Nosso processo seletivo dos cursos técnicos – que hoje ocorre por exame de classificação, análise socioeconômica e sorteio – também está sendo discutido para avançarmos na inclusão, esse é nosso foco.

Compartilho aqui uma apresentação feita pelo chefe do Departamento do Ingresso do IFSC, Raphael Gerba, em que é possível ver alguns números que nos levam a essa reflexão. Apesar de termos o maior ingresso da nossa história, o número de vagas remanescentes é muito grande. Por isso, é preciso discutir formas para sermos mais efetivos. Fora a questão do custo que esses processos geram para nossa instituição, temos que ter os resultados que a comunidade espera do IFSC. Precisamos ser mais inclusivos, acima de tudo, e trabalhar forte para a permanência e o êxito dos alunos.

Lógico que a questão é bem complexa. Caso se mude o sistema de ingresso, precisaremos melhorar nossas formas de acolhimento, entre outros pontos. Na próxima reunião do Codir, vamos analisar as sugestões dos câmpus e continuar com a discussão e encaminhamentos desta questão.

Outros encaminhamentos do Codir foram a aprovação da proposta de criação de Departamentos de Assuntos Estudantis nos câmpus maiores e a mudança no fluxo de criação e oferta de cursos de qualificação, cuja proposta é que, se o curso já estiver aprovado no CEPE, a oferta possa ser aprovada pelo colegiado do câmpus, dando mais agilidade. Essas decisões seguem agora para apreciação do CEPE e do Conselho Superior. Inclusive, foi criada uma comissão para estudar melhor essa questão dos cursos de qualificação, desde a criação, a oferta até o ingresso.

Apresentamos o cronograma do SIG Frequência, tendo em vista a decisão do Codir de adotar ponto eletrônico em todos os câmpus e na Reitoria. Como já mencionei anteriormente, teremos então dois sistemas de ponto: o SIG Frequência e o biométrico – que deverão trabalhar de maneira integrada futuramente.

Fizemos uma avaliação do projeto de Reitoria Itinerante e, na próxima reunião, devemos apresentar uma proposta para estarmos mais presentes e articulados nos câmpus.

A reunião teve transmissão ao vivo pela IFSCTV e a gravação pode ser conferida neste link. Ressalto que estamos aprimorando a atuação da gestão, principalmente do Colégio de Dirigentes, previsto na lei de criação dos institutos. Considero o Codir um importante colegiado pela sua representatividade dos câmpus, tomamos as decisões sempre com base nas discussões feitas nos câmpus e nos demais colegiados do IFSC.

Outros assuntos

• CUSJ: Tive uma reunião com o novo reitor do Centro Universitário Municipal de São José, Juarez Perfeito. Discutimos possíveis parcerias e ficamos de retomar o Fórum de Reitores das Instituições Públicas de SC e a ideia é de que o CUSJ faça parte também.

formatura• Formatura: Ontem participei da formatura dos cursos técnicos e superiores do Câmpus São José. É um momento sempre festivo e emocionante. Encontrei dois ex-alunos meus e um deles, irmão de um formando, me lembrou que fui paraninfa da turma dele em 1997 no curso técnico em Edificações do Câmpus Florianópolis. Foi muito gratificante ser lembrada por isso!

• Procuradores: Nesta semana, o IFSC e a UFSC sediaram um encontro nacional de procuradores das instituições federais de ensino. Participei da abertura realizada na UFSC com a apresentação do lindo coral do Núcleo de Estudos da Terceira Idade. Essa reunião técnica dos procuradores é muito importante para que se tenha entendimentos comuns entre as instituições e para que os procuradores possam atuar cada vez mais em articulação com as nossas necessidades, conhecendo a nossa diversidade e atuação social. Somos focados na articulação do ensino, da pesquisa e da extensão e precisamos avançar muito na interação com a comunidade.

ingresso_IFSC_20162E nesta semana começaram as inscrições para nosso processo seletivo 2016.2. São mais de 3 mil vagas em 18 cidades para cursos técnicos, de graduação e voltados à educação de jovens e adultos. Compartilho aqui a notícia do Portal do IFSC com todas as informações sobre as vagas e como se inscrever. Peço que nos ajudem a divulgar esta oportunidade para as pessoas! As inscrições terminam só em 23 de maio.

Até a próxima semana!

Sobre Maria Clara

Maria Clara é professora do IFSC desde 1990, atuando no Câmpus Florianópolis. Tem graduação em Matemática e mestrado e doutorado em Engenharia de Produção, todos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi diretora de Pós-graduação e Pesquisa (2006-2008) e pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (2009-2011) do Instituto Federal antes de tornar-se a primeira reitora eleita da instituição – anteriormente a 2008, quando o Cefet-SC tornou-se IFSC, o cargo máximo era o de diretor-geral. Além de gestora do IFSC, a reitora acumula experiências como membro da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes) e da Comissão Nacional de Avaliação da Iniciação Científica e Tecnológica (Conaic) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É integrante do Conselho de Governança da Fiesc, representando o Ministério da Educação (MEC).
Esta entrada foi publicada em Post. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.