PDI, Conif e concurso

Boa tarde!

SONY DSCQuero iniciar o post desta semana falando de um importante processo que começamos a construir a partir desta sexta-feira: o Plano de Desenvolvimento Institucional para o período de 2014 – 2018. O PDI é o documento que define os rumos do IFSC a cada quinquênio. Funciona como uma espécie de planejamento estratégico, apontando objetivos tanto do ponto de vista da gestão quanto do ensino, da pesquisa e da extensão.

Para elaborar o PDI dos próximos anos, lançamos hoje um processo de construção coletiva – similar ao que estamos fazendo para a construção da nossa política de comunicação. Usaremos uma metodologia aprovada no final do ano passado no nosso Conselho Superior que se utiliza de diversas comissões e grupos específicos. Queremos o envolvimento de todos os servidores e alunos do IFSC, mesmo com uma instituição grande e complexa como a nossa. Precisamos elaborar um documento dinâmico, construído por muitas mãos, pois entendemos que as pessoas devem estar bem envolvidas para projetarmos o futuro do nosso instituto. Por isso, pedimos que toda a comunidade acadêmica participe e se envolva.

SONY DSCPara marcar esse início do processo, contamos com a presença do professor Luis Enrique Aguilar, da Unicamp, referência em elaboração de planos de desenvolvimento institucionais. Foi um evento bem importante em que tivemos uma transmissão on line que permitiu que os nossos câmpus acompanhassem. Quem não pôde acompanhar, pode assistir no nosso canal no Youtube como foi o evento.

Agora começa o trabalho de fato. Para entenderem melhor o processo, acessem o site pdi.ifsc.edu.br. Tirem suas dúvidas e mandem sugestões. Com certeza, será um processo de muito aprendizado e que trará bons resultados.

Conif

De terça a quinta-feira, estive em Vitória para mais uma reunião do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, o Conif. Falamos sobre a Reunião dos Dirigentes dos Institutos Federais de Educação Profissional e Tecnológica, a Reditec, que será realizada em setembro em Maceió. Discutimos o tema desse ano e a pauta principal deve ser o trabalho em rede das nossas instituições.

Tratamos também da questão de cargos e funções de coordenação de curso. Recebemos um representante da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, a Setec, que explicou parâmetros e critérios para essa distribuição. Estabelecemos um compromisso de que até julho seja feita uma distribuição emergencial para os câmpus da expansão e ficamos de estudar formas de estruturar essa questão nos câmpus pré-expansão.

blog_conifA Assistência Estudantil foi outro ponto da pauta. Nossa pró-reitoria de Ensino, Daniela Carvalho, participou dessa discussão. Debatemos sobre a bolsa-permanência e a necessidade dos valores de bolsas serem maiores e de termos uma legislação mais clara no que diz respeito à educação profissional e tecnológica. Sobre a matriz Conif, já foram definidos parâmetros para distribuição de recursos em relação à pesquisa e à extensão que estará relacionada com o esforço de cada instituição em desenvolver ações nessas áreas.

Outros assuntos que abordamos foram a agenda Conif 2013, a proposta dos institutos terem um centro de idioma para capacitar os alunos para intercâmbios, formas de ampliarmos a participação dos nossos estudantes no Ciência sem Fronteiras, a inclusão do programa Mulheres Mil nas bolsas de formação, os jogos nacionais dos Institutos Federais – que serão realizados em setembro em Foz do Iguaçu – e a proposta de realizar também jogos para servidores dos Institutos Federais.

Importante falar que o representante do Conif no GT sobre carreira tem participado de todas as reuniões. Na última, houve uma forte discussão sobre a questão de reconhecimento de saberes e competências e o estabelecimentos de critérios para a ascensão à classe titular. Estamos na expectativa da próxima reunião, em 9 de maio, para que sejam encaminhadas diretrizes sobre isso aos institutos para fazermos a regulamentação desses processos. Quem quiser mais informações, pode ler a matéria publicada no site do Conif sobre o assunto.

Outros assuntos:

– Formatura: Na sexta-feira passada, participei da primeira formatura do curso de licenciatura em Física do Câmpus Araranguá. Tivemos poucos formandos, o que demonstra nosso desafio em formar professores e buscar pessoas interessadas em se tornarem professores. De toda forma, foi emocionante ver como os formandos, agora formados, possuem uma visão boa do papel do professor e da importância deles como profissionais para ajudar na transformação do nosso País.
– Colégio de Dirigentes: Na segunda-feira, tivemos mais uma reunião do Colégio de Dirigentes em que contamos com a presença da auditora da Controladoria Geral da União que apresentou o trabalho que será feito no IFSC. Por uma decisão do Tribunal de Contas da União, o foco esse ano é a Gestão de Pessoas. Em função disso, estamos passando por um processo bem intenso de apresentação de documentos em relação a isso. Estamos colaborando e esperando que, com isso, consigamos sempre melhorar nossos procedimentos.
SONY DSC– Pesquisa e Extensão: Tivemos nesta semana um encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão que reuniu servidores de todos os nossos câmpus e da Reitoria em Florianópolis durante dois dias. Tendo em mente a necessidade de articulação dessas áreas como tripé de toda instituição de ensino, é importante esses momentos em que conseguimos reunir os servidores para trocas de experiência, alinhamento de trabalho e aprendizado.
– Concurso Público: Na última sexta-feira, ficamos conhecendo parte dos nossos novos servidores. Estamos tão empolgados quanto os aprovados e esperamos que vocês gostem bastante de trabalhar aqui. Desejamos boa sorte agora aos candidatos classificados para as próximas fases.

Um abraço a todos e boa semana!

Sobre Maria Clara

Maria Clara é professora do IFSC desde 1990, atuando no Câmpus Florianópolis. Tem graduação em Matemática e mestrado e doutorado em Engenharia de Produção, todos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi diretora de Pós-graduação e Pesquisa (2006-2008) e pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (2009-2011) do Instituto Federal antes de tornar-se a primeira reitora eleita da instituição – anteriormente a 2008, quando o Cefet-SC tornou-se IFSC, o cargo máximo era o de diretor-geral. Além de gestora do IFSC, a reitora acumula experiências como membro da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes) e da Comissão Nacional de Avaliação da Iniciação Científica e Tecnológica (Conaic) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É integrante do Conselho de Governança da Fiesc, representando o Ministério da Educação (MEC).
Esta entrada foi publicada em Post. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.