Ações afirmativas

Boa tarde!

Tivemos na quarta, dia 06/06, uma reunião com o Ministério Publico, representantes do movimento Negro e alguns de nossos alunos do curso de Licenciatura do campus Sao José, para tratar do acompanhamento de alunos que ingressaram no IFSC pelo sistema de cotas. Na reunião nos colocamos a disposição do MP para encaminhar os documentos solicitados, apurar os fatos envolvidos, buscar os esclarecimentos e as soluções.

Aproveito a oportunidade para destacar a importância das ações afirmativas. A educação transformadora vai além do desenvolvimento científico e tecnológico. Atualmente, por mais que se fale em necessidade de mão-de-obra qualificada, precisamos é de indivíduos capacitados para o exercício da cidadania e da profissão.

Entre os exemplos de cidadania que o Instituto Federal de Santa Catarina, referência no País, busca apresentar estão as ações afirmativas. Essas medidas especiais e temporárias tomadas pelo Estado, tem como objetivo minimizar e eliminar a desigualdades raciais, étnicas, religiosas, de gênero e outras historicamente acumuladas, garantindo a
igualdade de oportunidade e tratamento.

O IFSC tem o compromisso com a inclusão como estratégia para a intervenção na lógica social. Para tanto, em 2009, publicou um Plano de Inclusão que tem como parte de sua política a democratização do acesso à educação. Atualmente, 60% das vagas do Instituto são destinadas a públicos específicos. Nos cursos de graduação, 50% das vagas são destinadas a alunos egressos de escolas públicas e 10% para negros.

Entendendo a importância das ações afirmativas, criamos um comitê no IFSC só para cuidar da questão. Dentre as ações previstas pelo Comitê de Ações Afirmativas do Instituto para 2012/2013 estão o planejamento, a implementação e a avaliação do plano de acompanhamento dos alunos das ações afirmativas e dar sequência às ações do projeto de sensibilização da comunidade referente às questões das ações afirmativas.

O IFSC trabalha para a construção de um País para todos, um País cada vez melhor. Sabemos que, assim como o Brasil, temos muito a fazer nesse aspecto. E faz parte do nosso plano de trabalho aprimorar ainda mais as ações afirmativas na nossa instituição.

Nossa missão é formar cidadãos. E a cidadania passa pela visão democrática e igualitária. Acreditamos na transformação das ações afirmativas dentro do nosso Instituto e por todo o Brasil.

Somos contra a qualquer tipo de preconceito. É por isso que queremos esclarecer o ocorrido e tomar as providências se for o caso. Assim que tivermos a apuração, divulgaremos para  todos. Nossa intenção é que todos os alunos se sintam bem acolhidos na nossa instituição, independentemente de cor, raça, religião ou qualquer outra diferença. O IFSC é uma instituição gratuita, mantida pela população e, por isso mesmo, de portas abertas a todos.

Defendemos o diálogo. E por meio dele, buscaremos esclarecer o ocorrido e dar respostas à toda nossa comunidade.

Sobre Maria Clara

Maria Clara é professora do IFSC desde 1990, atuando no Câmpus Florianópolis. Tem graduação em Matemática e mestrado e doutorado em Engenharia de Produção, todos pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi diretora de Pós-graduação e Pesquisa (2006-2008) e pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação (2009-2011) do Instituto Federal antes de tornar-se a primeira reitora eleita da instituição – anteriormente a 2008, quando o Cefet-SC tornou-se IFSC, o cargo máximo era o de diretor-geral. Além de gestora do IFSC, a reitora acumula experiências como membro da Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes) e da Comissão Nacional de Avaliação da Iniciação Científica e Tecnológica (Conaic) do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É integrante do Conselho de Governança da Fiesc, representando o Ministério da Educação (MEC).
Esta entrada foi publicada em Alunos, Gestão e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Os comentários estão encerrados.